Chile: Overview

Ao longo dos anos mais recentes tornou-se clara, sobretudo no contexto das relações económicas internacionais, a intensificação das relações Norte-Sul e Sul-Sul, duas tendências que marcam o início do século XXI e que, na perspectiva portuguesa, se desenvolveram ao longo do eixo atlântico. Se, por um lado, a Aliança Atlântica entre os Estados Unidos e a Europa se mantém relevante do ponto de vista estratégico, por outro, é necessária uma actualização do espaço e das parcerias atlânticas mais a Sul. Neste contexto, o Brasil tem surgido como alvo preferencial das empresas e investidores portugueses. No entanto, é hoje imperativo alargar esse espaço de referência a outras economias sul-americanas, onde o Chile não é necessariamente o fim do mundo. Pelo contrário, pode ser o começo para alternativas de negócio e investimento.

Depois de uma trajectória económica menos positiva iniciada ainda durante a governação de Salvador Allende (1970-73) e continuada nos primeiros anos da ditadura de Pinochet (1973-90), o Chile iniciou um caminho de crescimento que perdura até hoje.

Sob a liderança de Augusto Pinochet, o país viveu um dos piores momentos da sua história. No entanto, a performance económica do país no mesmo período foi notória, fruto da implementação de reformas orientadas para o liberalismo económico, dando início ao que mais tarde seria chamado “o milagre chileno.” Assistiu-se a uma total reversão da política económica antes seguida por Salvador Allende, colocando-se em prática medidas inicialmente muito dolorosas, mas que que lançariam as bases para um crescimento económico que hoje sabemos sustentável e uma melhoria das condições de vida da população. A economia voltou a crescer como resultado do novo programa económico, de combate à inflação, abertura do mercado, promoção do empreendorismo privado, estabilidade jurídica no plano dos contractos empresariais negociados, estabilidade no modo de organização da economia e cumprimento dos compromissos económicos assumidos com credores internacionais.

Todas estas mudanças geraram um enorme clima de confiança e levaram ao surgimento de um novo ambiente de negócios no país. O investimento estrangeiro voltou à medida que o Estado reduzia o seu peso na economia, os níveis de pobreza diminuíram, a mobilidade social aumentou e as bases da actual sociedade chilena foram construídas.

Foi assim que, no Chile, o motor de um novo regime de liberdades políticas acabaria por ser gerado pela liberdade económica e pelo sucesso por ela criado, levando ao referendo de 1988 que abriu portas à introdução de um regime político democrático, num processo de transição política reconhecido como pacífico.

Desde então, sob um regime fortemente presidencialista – actualmente liderado por Michelle Bachelet Jeria – o Chile tem crescido num clima de estabilidade política e macroeconómica, sendo hoje encarado como uma das nações mais estáveis e prósperas da América Latina.

Ser Associado da Câmara de Comércio significa fazer parte de uma instituição que foi pioneira do associativismo em Portugal.

 

Os nossos Associados dispõem do acesso, em exclusividade, a um conjunto de ferramentas facilitadoras da gestão e organização das respectivas empresas.