China mantém investimentos na África lusófona

De acordo com dados oficiais recentemente publicados pela China, entre 2000 e 2014 o investimento chinês direccionado aos PALOP totalizou 22,6 mil milhões de dólares. Tratando-se de ajuda ao desenvolvimento (11 mil milhões de dólares), o principal beneficiário foi Moçambique que recebeu 6,5 mil milhões no período considerado. Em 2º lugar surge Angola para onde foram alocados 3,9 mil milhões. A maior distância estão Cabo Verde e Guiné-Bissau que receberam 439 e 126 milhões respectivamente.

Os fluxos de investimento não foram apenas direccionados à ajuda oficial ao desenvolvimento dos países em causa. Entre investimento do Estado e investimento directo estrangeiro, os PALOP receberam mais 11,6 mil milhões de dólares, particularmente Angola, Moçambique e Guiné-Bissau.

Ser Associado da Câmara de Comércio significa fazer parte de uma instituição que foi pioneira do associativismo em Portugal.

 

Os nossos Associados dispõem do acesso, em exclusividade, a um conjunto de ferramentas facilitadoras da gestão e organização das respectivas empresas.