Em análise: Moçambique

MOÇAMBIQUE: AS OPORTUNIDADES DA PAZ

 

Nos últimos anos, Moçambique tem vindo a apresentar um grande dinamismo em termos económicos, tendo previsto para este ano um crescimento superior a 8%. A isto aliam-se as boas notícias referentes à exportação de minérios e às anunciadas reservas de gás.

Presentemente, e depois de mais de um ano de instabilidade, confirmam-se as razões para optimismo a respeito do processo de paz em Moçambique e da realização das eleições na data prevista de 15 de Outubro, factor decisivo para a estabilidade do país. Com efeito, no passado dia 24 de Agosto, foi ultimado o “Acordo de Paz” entre a Frelimo e a Renamo.

Embora sem a presença dos seus líderes, que se fizeram representar por José Pacheco, Ministro da Agricultura, e por Saimone Macuiane, chefe da delegação da Renamo, as duas partes chegaram a entendimento quanto ao fim da guerra e ao estabelecimento das condições necessárias ao processo eleitoral.

Na ocasião foram assinados três documentos: um memorando de entendimento sobre os princípios gerais para o fim da violência militar; os termos de referência da missão de observadores militares internacionais que irá fiscalizar o fim das hostilidades e a integração dos efectivos da Renamo nas Forças Armadas e na Polícia, ou a sua reinserção sócio-económica; os mecanismos de garantia da implementação dos acordos, que, segundo a Agência de Informação de Moçambique (AIM), incluem a aprovação de uma lei de amnistia para actos criminosos que tenham ocorrido durante o período da confrontação.

A assinatura do Acordo de Paz foi finalmente efectuada a 5 de Setembro, na ocasião do encontro entre os líderes da Frelimo e da Renamo, respectivamente o Presidente Armando Guebuza e Afonso Dhlakama. Nessa altura ficou expresso de forma clara o clima de pacificação necessário à realização das eleições.

Com este acordo, que estava praticamente concluído deste o início deste mês, dá-se um passo já considerado “histórico” para a normalização de Moçambique, ficando o processo concluído com as eleições, onde se enfrentarão a Frelimo, com o novo líder Filipe Nyusi, a Renamo, com Afonso Dhlakama, e o MDN, com Daviz Simango.

A realização das eleições e a forma como decorrer todo o processo eleitoral serão os factores decisivos que condicionarão o futuro de Moçambique. Só através da normalização, e de uma competição dentro dos parâmetros democráticos, se poderão realizar as promessas de desenvolvimento que as novas descobertas de gás trouxeram para o país.

Conforme a análise do Africa Economic Outlook, os principais motores do crescimento de Moçambique são, por um lado, o investimento directo estrangeiro, ligado sobretudo ao sector extractivo e, por outro, o crescente investimento público, nomeadamente em infraestruturas. Também o sector financeiro está em expansão, com um aumento de crédito, que apoia outros sectores em crescimento como o da construção, serviços, transportes e comunicações.
O sector extractivo inclui minérios como o carvão (com uma exportação prevista, até 2020, de entre 50 e 100 milhões de toneladas), grafite, bauxita, ouro, gemas preciosas e semipreciosas, mármore e o já referido gás natural.

Seria redutor falarmos da economia moçambicana e referirmo-nos apenas ao sector extractivo e ao gás natural. O país tem grandes potencialidades em outras áreas como a agricultura (algodão, cana-de-açúcar castanha-de-cajú, copra e mandioca), o turismo (2 mil quilómetros de costa e grandes reservas naturais) ou a pesca. Tudo áreas onde são importantes as parcerias com empresas estrangeiras, nomeadamente portuguesas.

Concluindo, refira-se que Moçambique é um país em franco desenvolvimento, com um grande dinamismo e que apenas precisa de regressar a um clima de estabilidade política. A realização das eleições presidenciais de Outubro é um factor essencial para a normalização do país, e a assinatura do acordo de paz e o regresso de Afonso Dhlakama a Maputo uma garantia para que tal aconteça.

Ser Associado da Câmara de Comércio significa fazer parte de uma instituição que foi pioneira do associativismo em Portugal.

 

Os nossos Associados dispõem do acesso, em exclusividade, a um conjunto de ferramentas facilitadoras da gestão e organização das respectivas empresas.