EAU - Overview

Federação composta por 7 monarquias - Abu Dhabi (onde se situa a capital do país, com o mesmo nome), Dubai, Sharjah, Ajman, Ras Al Khaimah, Umm Al Quwain e Fujairah - os Emirados Árabes Unidos (EAU) são uma das grandes potências comerciais do Médio Oriente e foco de atracção crescente de investimento internacional. Pela estabilidade macroeconómica registada ao longo das últimas décadas, pela atractividade do ambiente de negócios e pelas múltiplas oportunidades que apresenta, este é hoje um mercado incontornável na região, no qual querem estar presentes as mais importantes multinacionais de todo o mundo. Mas nem sempre assim foi.

Apesar da sua localização estratégica de enorme relevância - à entrada do estreito de Ormuz, ligando os golfos Pérsico e de Omã (choke point vital para o comércio marítimo regional e para a rota do comércio mundial de petróleo) - há cerca de 5 décadas o país era um actor de reduzida importância no quadro da economia e comércio mundiais. O comércio marítimo, o comércio de pérolas, um reduzido número de actividades agrícolas, a pecuária, a par de uma manufactura eminentemente tradicional, alimentaram durante décadas uma economia, no essencial, de subsistência.

Hoje, a realidade é totalmente distinta. O país cresceu economicamente, desenvolveu-se e é actualmente um dos maiores símbolos de modernidade e riqueza em todo o mundo.

A descoberta e o início da exploração dos recursos energéticos de que dispõe (inicialmente petróleo, na década de 70, a que mais recentemente se juntou o gás natural) lançaram os EAU numa trajectória de crescimento notável, apresentando por diversas vezes taxas de crescimento superiores a dois dígitos. Mas as vulnerabilidades decorrentes da excessiva dependência económica do sector, e que foram sentidas logo na década de 80 na sequência da forte quebra do preço do petróleo nos mercados internacionais, evidenciaram a necessidade de diversificar a estrutura produtiva do país. Desde então têm-se multiplicado os esforços e os planos estratégicos nesse sentido, com resultados bastante positivos.

A expansão do sector privado e o desenvolvimento industrial foram dois dos principais vectores da mudança estrutural colocada em marcha. Fruto das medidas adoptadas, assistiu-se ao desenvolvimento paulatino das indústrias química, mecânica, farmacêutica e do cimento. Hoje, também o sector dos serviços se encontra bastante desenvolvido, sobretudo tratando-se do turismo, do comércio, serviços logísticos e financeiros.

Os números espelhavam o desenvolvimento do país e o carácter sustentável dos resultados atingidos. Conseguindo manter um ritmo anual de crescimento em torno dos 6,1% entre 1990 e toda a década de 2000, o país voltou a dar provas de resiliência, quando um novo choque petrolífero atingiu a economia mundial em 2013-2014. Ainda que afectado por uma conjuntura internacional negativa, os EAU conseguiram responder, crescendo a uma média de 4,7% neste período.

Embora a um ritmo mais moderado - a que não foram alheios os cortes da produção petrolífera decididos no âmbito da OPEP e que vigoraram até ao final de 2018 - o crescimento continua, e com um PIB estimado em 405,771 mil milhões de USD para 2019 (FMI, dados Out), o país posiciona-se como a 4ª maior entre as 14 economias do Médio Oriente, sendo apenas ultrapassado pelos chamados “gigantes” da região: a Arábia Saudita, a Turquia e o Irão.

Longe do passado, esta é hoje uma economia aberta, a mais livre de todo o Médio Oriente (com scores geralmente acima da média mundial), a 2ª mais competitiva (atrás de Israel), apresentando ainda o 3º maior rendimento per capita da região e um dos maiores a nível mundial. Dotado de infra-estruturas modernas, eficientes e em contínua expansão e com um ambiente de negócios altamente favorável, traduzido em posições de topo nos mais importantes rankings internacionais em matéria de comércio, negócio e investimento, este é indubitavelmente um mercado a ter em consideração pelas empresas nacionais interessadas no alargamento da sua geografia de internacionalização.

 

FACT BOX: EAU

Localização geográfica: Médio Oriente, entre o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã, fazendo fronteira com a Arábia Saudita (Oeste e Sul) e Omã (Leste)
Capital: Abu-Dhabi
Território: 83,600 Km2 (área terrestre)
População: entre 9,6 milhões (BM, 2018) e 10,4 milhões de habitantes (WEF, 2019)
Língua: Árabe (oficial); inglês bastante difundido, especialmente no âmbito comercial e no mundo dos negócios
Moeda: Dirham dos EAU (AED)
Ranking Doing Business Report 2019: 11/190 (+ 10 posições)
Global Competitiveness Index 2019: 25/141 (+ 2 posições)
Index of Economic Freedom-Heritage 2019: 9/180 (sem alterações)
PIB taxa de crescimento real: 3,3% (est. 2020, FMI)

 

Riscos e Oportunidades

Relações com Portugal e Potencial Exportador

 

Quer pedir uma proposta de consultoria individual aos Emirados Árabes Unidos? Fale connosco

Ser Associado da Câmara de Comércio significa fazer parte de uma instituição que foi pioneira do associativismo em Portugal.

 

Os nossos Associados dispõem do acesso, em exclusividade, a um conjunto de ferramentas facilitadoras da gestão e organização das respectivas empresas.