Filipinas: Overview

O nascimento de um novo tigre asiático

filipinasEnquanto Estado arquipelágico situado entre o Oceano Pacífico e o Mar do Sul da China, em plena rota de aproximação ao grande mercado asiático, desde cedo que as Filipinas despertaram o interesse de potências estrangeiras: desde o antigo império espanhol durante os séculos XVI-XIX, a uma China em rota de ascensão ao longo da última década, passando pelos Estados Unidos da América durante todo o século XX.

Durante séculos as Filipinas procuraram capitalizar política, militar, económica e comercialmente a sua localização estratégica na Ásia Oriental. Hoje, numa lógica de reposicionamento perante o reequilíbrio de forças na região, as Filipinas procuram, uma vez mais, tirar partido do seu posicionamento geográfico, equacionando interesses chineses e norte-americanos, sem secundarizar a sua proximidade a outros mercados importantes como a Austrália, o Japão ou até mesmo a Nova Zelândia, numa crescente abertura a mercados e investidores externos.

Instabilidade política, baixos níveis de investimento e um ambiente de negócios muito pouco competitivo, agravado por altos níveis de burocracia e corrupção, inviabilizaram, durante décadas, um maior desenvolvimento e uma melhor performance económica. As reformas lançadas na década de 90 e posteriormente complementadas por importantes planos de desenvolvimento vieram transformar gradualmente o país e desde a crise financeira asiática de 97-98 que as Filipinas vêm registando uma trajectória bastante positiva. São quase 20 anos de crescimento ininterrupto, a uma média de 4,3% entre 1999 e 2009 e de 6,4% entre 2010 e 2017. Com previsões de crescimento do PIB de 6,7% para este ano e de 6,8% para os próximos quatro, as Filipinas revelam-se, hoje, como uma das economias com maior solidez, estabilidade e potencial de crescimento na região – a 7ª que mais deverá crescer entre os mercados asiáticos emergentes entre 2018-2022. Esta projecção de crescimento poderá transformar a economia filipina dos seus actuais 320 mil milhões de dólares para 680 mil milhões até 2024 e 1 200 mil milhões por volta de 2030, fazendo do país um novo tigre asiático.

Parte deste crescimento assentou no reforço da procura e consumo interno, alimentado pelo aumento do poder de compra – e neste domínio as previsões de crescimento do PIB per capita sustentam cenários de evolução bastante positivos – o que faz das Filipinas um dos mais dinâmicos mercados da Ásia Oriental e, consequentemente, um dos mais atractivos para investidores e empresas de todo o tipo de sectores.

Uma mão-de-obra tendencialmente vista como cada vez mais competitiva é outra das vantagens deste mercado. Igualmente encorajador para investidores estrangeiros é a continuação dos esforços para impulsionar a economia e a competitividade externa através da implementação (já em curso) do plano de desenvolvimento nacional 2017-2022, no âmbito do qual se prevê um aumento significativo do investimento público e um maior impulso das trocas comerciais com o exterior.

 

Localização geográfica: Sudeste asiático, arquipélago entre o Mar das Filipinas e o Mar do Sul da China, a Este do Vietname
Capital: Manila
Território: mais de 7.000 ilhas num total de 298.170 Km2 (área terrestre)
População: 104.256.076 (WFB est. Jul 2017)
Língua: Filipino e Inglês (oficial); vários dialectos
Moeda: Peso Filipino
Ranking Doing Business Report 2018: 113/99 (-14 posições)
Global Competitiveness Index 2017/2018: 56/137 (+1 posição)
Index of Economic Freedom-Heritage: 61/180 (- 0,6 pontos)
PIB taxa de crescimento real: 6,7% (est. 2018, FMI)

 

Riscos e Oportunidades
Relações comerciais com Portugal e potencial exportador

Ser Associado da Câmara de Comércio significa fazer parte de uma instituição que foi pioneira do associativismo em Portugal.

 

Os nossos Associados dispõem do acesso, em exclusividade, a um conjunto de ferramentas facilitadoras da gestão e organização das respectivas empresas.