Portugal aposta na exportação de startups para a China via Macau

Ao longo da última década, Macau tem-se afirmado como uma plataforma importante para a promoção do empreendedorismo e das relações de cooperação económica e comercial entre os países lusófonos e a República Popular da China e, neste contexto, Portugal tem apresentado vantagens competitivas face aos demais parceiros da lusofonia. Mas os acontecimentos mais recentes – a 5ª Conferência interministerial do Fórum Macau em Outubro e a visita a Lisboa do governante de Macau, Lionel Leong, entre 5 e 8 de Dezembro, altura em que se reuniu com três secretários de Estado do governo português (Indústria, Comércio e Internacionalização) – parecem revelar uma nova estratégia por parte de Portugal visando alargar o âmbito deste relacionamento a países europeus, sempre via Lisboa, concretamente na área das novas tecnologias e do universo das startups. Por outras palavras, Portugal quer apostar em Macau como plataforma de acesso a mercados da China interior para a exportação de startups nacionais e europeias.

É certo que esta estratégia – assente na centralidade de Portugal e Macau e numa base, já existente, destinada aos empreendedores em Macau que passa por acordos assinados entre a região administrativa e três áreas da Zona de Comércio Livre da província chinesa de Guangdong (adjacente à região de Macau) – representará sempre uma via de duplo sentido, pelo que também empresários chineses e macaenses beneficiarão dos mecanismos de cooperação para os seus investimentos em Portugal e na União Europeia. Ainda assim, as vantagens para Portugal e para as empresas portuguesas parecem evidentes. Vejamos.

Desde logo, há um longo caminho a percorrer para a concretização deste objectivo, nomeadamente se olharmos à necessidade de melhoramento das infra-estruturas dos serviços de internet de Macau, por forma a que estes possam ser equiparados com os níveis de serviços internacionais nesta área. Logo aqui poderão surgir oportunidades de negócio e investimento para as empresas portuguesas.
Estão também em cima da mesa das negociações, possíveis facilidades de exportação na área da tecnologia ambiental, serviços e produtos susceptíveis de aplicação ao sector da protecção ambiental, com especial atenção ao sector automóvel e à indústria chinesa.

Uma outra área que poderá ser incluída é a dos produtos alimentares. Neste caso através do CEPA – Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Interior da China e Macau, no qual estão previstas isenções de taxas aduaneiras.
Estes são apenas alguns exemplos de sectores com potencial exportador que Portugal pretende potenciar, usando para o efeito a centralidade que o país ocupa não apenas no relacionamento entre Macau e a Lusofonia mas, agora também e no futuro ainda mais (pelo menos esse parece ser o objectivo), no relacionamento entre Macau e a Europa. Fica para ver como será feita a passagem do plano do discurso e das intenções para o plano da prática empresarial.

Ser Associado da Câmara de Comércio significa fazer parte de uma instituição que foi pioneira do associativismo em Portugal.

 

Os nossos Associados dispõem do acesso, em exclusividade, a um conjunto de ferramentas facilitadoras da gestão e organização das respectivas empresas.