opiniao-bruno-bobone-diario-de-noticias

Artigo de Bruno Bobone, Presidente da CCIP, na sua rúbrica semanal no Diário de Notícias.

Falta-nos participar nas decisões que nos importam. Falta-nos a vontade de mandar nos acontecimentos, de tomar as nossas oportunidades, de influenciar as normas que nos impõem, de sermos donos da nossa vida e do nosso destino.

Era essa a convicção de quem lutou para trazer a democracia às nossas vidas: para que pudéssemos ser parte da decisão e podermos influenciar a sociedade em que vivemos.

Pois bem, com abstenções nas eleições que passam os 60% é fácil de compreender que a população não quer saber daquilo que lhe pode acontecer.

Alguns dirão que não vale a pena, que os políticos são todos iguais; outros pensarão que é porque tudo se decide a favor de um Estado que não se preocupa com as pessoas; outros ainda que é de Bruxelas que vem a direção e que tanto faz aquilo que aconteça. E todos se abstêm de se envolver naquilo que seria natural e que pode verdadeiramente servir para melhorar as suas vidas e mudar a qualidade com que se vive em Portugal.

É verdade que tanto os partidos políticos como todos aqueles que por dentro os fazem viver e existir têm sido sempre os promotores de um distanciamento cada vez maior entre a população e o poder político. É verdade que para que eles continuem a mandar têm de conseguir que o povo fique anestesiado.

Mas é verdade também que está nas nossas mãos a possibilidade de mudar tudo isso, aumentando a nossa participação cívica - pelo menos indo votar.

Vai ser muito difícil conseguir mudar estas convicções, e está aberto caminho para soluções populistas. O que nem sequer é completamente negativo, considerando que poderão provocar o regresso à participação das pessoas que se tinham desligado da atividade pública.

Por outro lado, são soluções dramáticas que levam ao caos e ao autoritarismo - legitimadas e insufladas pelo descrédito das lideranças oportunistas, desligadas do real.

O que nos falta é encontrar quem represente uma alternativa que nos encha de esperança sobre o futuro, que justifique sairmos à rua e lutar para voltar a pertencer. A pertencer aos que conduzem Portugal, aos que acreditam que seremos melhores se participarmos todos. Que nos dê o alento de agradecer o que temos, apesar de aspirarmos a mais.

É preciso travar esta melancolia do presente. Amanhã será tarde.

Saiba como fazer parte da rede da Câmara de Comércio

 

Torne-se nosso associado

 

Apresentação Câmara de Comércio